terça-feira, 20 de outubro de 2009

A Página do Relâmpago Elétrico, Beto Guedes (1977)


Ainda que fosse só pelo nome, A Página do Relâmpago Elétrico já mereceria menção. Claro que em 1977, o rock nacional já não era novidade, com Rita, Raul e os Secos e Molhados, além de outras expressões "menores". A novidade aqui talvez seja a página...

Oriundo do Clube da Esquina, nesta página muito sua, Beto Guedes parece reinventar seu próprio clube, depois de tanto frequentar o clube dos "irmãos" mais velhos, Milton e Lô Borges. Com produção de Ronaldo Bastos e a participação de diversos músicos do antigo clube (Toninho Horta, Flávio Venturini, Vermelho), Beto Guedes acrescenta uma página elétrica ao som dos clubes mineiros de esquina, como num relâmpago. O disco, o som da banda e, principalmente, a voz de Beto Guedes, tem um pouco daquele ar de Minas Gerais, que, mesmo radicado em Belo Horizonte (Beto é de Montes Claros) faz tudo parecer meio de interior, de além das montanhas, de longe do mar. Seu timbre de voz é único, uma recriação tupiniquim de Bob Dylan ou Neil Young, mas com uma certa melancolia que lembra o mar distante, do outro lado da serra.

De certa forma, o clube da esquina e esta página elétrica seriam quase um... Novos Mineiros... Ao som de minas, agrega-se a guitarra fuzz de Beto sem que isso torne o relâmpago um disco de rock'n'roll, como disse, é uma página. E a página do relâmpago elétrico, faixa título que abre o lado A , é uma linda canção de amor na forma de raio, frases curtas e soltas que nunca caem no mesmo lugar, mas que são prenúncio de chuva forte.

Outra página da página é uma leve influência de rock progressivo em canções tanto quanto em faixas instrumentais (Chapéu de Sol) provavelmente devido a presença de Flávio eVenturini, que já tocava com o Terço e estava por formar o 14 bis. A presença de teclados é extensa, hora com Flávio, hora com Vermelho, horas com ambos. Mas a instrumentação não para aí: no mesmo formato do Clube, as seções de gravação incluíam muitos músicos e outro elemento importante é uma percussão variada que se agrega na receita do trovão. Trovão bem temperado, uma vez que com o excesso de sons, muitas vezes a textura da massa se sobrepõe ao sabor, o que não é o caso aqui: esta é uma página de canções.

Nascente, de Flávio Venturini e Murilo Antunes é primorosa. Em tom crescente, a manhã clareia, nasce, ilumina e esconde a clara estrela, revelando o corpo e a alma da mulher amada. O piano aqui é essencial e é executado por Novelli. Beto canta e toca bateria. Uma orquestração desenhada por Toninho Horta harmoniza o sol nascente e o crescente dos desejos ardentes que nascem junto com o astro rei. Impecável (Milton Nascimento gravaria esta mesma canção um ano após, no Clube de Esquina 2, bem, a voz de Milton é covardia, mas a originalidade do arranjo aqui é imbatível). Maria Solidária é outra grande canção (de Milton Nascimento!) e o disco todo tem uma unidade surpreendente, ainda mais considerando-se que as faixas são bem distintas uma da outra. Em Bandolim por exemplo, temos uma (das três) faixas instrumentais que dão oportunidade a Beto de tocar este instrumento.

Anda, vem jantar, vem comer, vem beber, farrear até chegar Lumiar e depois deitar no sereno só pra poder dormir e sonhar pra passar a noite caçando sapo, contando caso, de como deve ser Lumiar

A música de Minas também se caracteriza pela presença de alguns elementos de cristianinsmo, muitas vezes sutis, o pão por exemplo (que também pode ter uma leitura mais... marxista?). Talvez deva-se ao fato de ser um estado onde o Catolicismo é forte, talvez o mais forte da nação. O outro elemento é a terra, a fonte de alimento, da vida. Nesta página elétrica Beto Guedes ainda está insinuando estas coisas, que ficariam mais explícitas em trabalhos posteriores, Amor de Índio, O Sal da Terra... Mas em Lumiar ele está extremamente relaxado (ao invés de engajado). Esta é, pra mim, sua melhor composição. Uma linda música de amor, a vida do cotidiano, do dia-a-dia. A música tem um riff de entrada executado no violão, acompanhada por uma percussão, e depois vai entrando o resto da banda, num crescente.

Estender o sol na varanda até queimar só pra não ter mais nada a perder pra perder o medo, mudar de céu, mudar de ar, clarear de vez Lumiar

O que é Lumiar eu não sei, mas pouco importa, o recado é bem dado. A tempestade passa, o tempo acalma, e a página final é o samba-choro Belo Horizonte, de autoria de seu pai, Godofredo Guedes, só pra mostrar que no clube do Relâmpago cabem várias páginas, elétricas ou não.

[M]

A Pedido do Clayton, segue a ficha técnica:

1) A Página do Relâmpago Elétrico (Beto Guedes/Ronaldo Bastos)
Bandolim, violão e voz - Beto Guedes; Violões - Zé Eduardo; Baixo - Toninho Horta; Bateria - Robertinho; Percussão - Holy; Côro - Vermelho, Flávio e Beto.
2) Maria Solidária (Milton Nascimento/Fernando Brant)
Violão, guitarra e voz - Beto Guedes; Baixo e guitarra - Toninho Horta; Piano elétrico - Flávio Venturini; Órgão - Vermelho; Bateria - Holy.
3) Choveu (Beto Guedes/Ronaldo Bastos)
Bandolim, violão e voz - Beto Guedes; Piano - Flávio Venturini; Piano elétrico e Órgão - Vermelho; Baixo - Toninho Horta; Bateria - Holy; Percussão - Robertinho; Flauta - Paulo Guimarães.
4) Chapéu de Sol (Beto Guedes/Flávio Venturini)
Moog e flauta doce - Beto Guedes; Órgão - Flávio Venturini; Moog - Faraó; Baixo - Toninho Horta; Piano - Vermelho; Bateria - Holy.
5) Tanto (Beto Guedes/Ronaldo Bastos)
Viola, baixo e voz - Beto Guedes; Moog - Flávio Venturini; Órgão - Vermelho; Bateria - Holy; Orquestração e regência - Toninho Horta.
6) Lumiar (Beto Guedes/Ronaldo Bastos)
Viola, baixo e voz - Beto Guedes; Guitarra- Zé Eduardo; Piano - Vermelho; Bateria - Holy; Percussão - Robertinho.
7) Bandolim (Beto Guedes)
Bandolim, baixo e guitarra - Beto Guedes; Violões - Zé Eduardo e Beto; Piano - Flávio Venturini; Órgão - Vermelho; Guitarra - Toninho Horta; Bateria - Holy; Percussão - Robertinho e Toninho; Flauta - Paulo Guimarães.
8) Nascente (Ronaldo Bastos/Murilo Antunes)
Bateria e Voz - Beto Guedes; Órgão - Flávio Venturini; Piano - Novelli; Violão - Nelson Ângelo; Baixo - Toninho Horta; Orquestração e regência - Toninho Horta.
9) Salve Rainha (Zé Eduardo/Tavinho Moura)
Viola e Voz - Beto Guedes; Baixo - Toninho Horta; Bateria - Robertinho; Violão - Zé Eduardo; Órgão - Flávio Venturini; Percussão - Holy; Côro - Vermelho, Flávio, Zé Eduardo, Holy e Beto.
10) Belo Horizonte (Godofredo Guedes)
Bandolim, violão - Beto Guedes; Violões - Zé Eduardo e Toninho Horta; Percussão - Holy e Vermelho; Flauta - Paulo Guimarães; Clarinete - Abel Ferreira.

23 comentários:

  1. puxa, que bela resenha. eu adoro esse disco, que é subestimado por boa parte dos roqueiros de plantão. não tanto pela sofisticação musical, inclusive nas harmonias, mas principalmente pela atmosfera. é um trabalho de grande astral.
    parabéns pelo blog e pelos textos.

    ResponderExcluir
  2. Muito bonito, mesmo. A comparação com Dylan/Young, para mim, pelo menos, foi inusitada. Confirmando o comentário de Olímpio, vc tem um olhar rock and roll que nunca consegui ter com o Clube da Esquina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é verdade, essas palavras cheia de humanidade, hoje estamos longe disso é so marketing

      Excluir
  3. Atmosfera! essa realmente a palavra-chave nesta página... E esta atmosfera consegue mesmo se sobrepor ao conteúdo formal da música, a riqueza das harmonias, dos arranjos... Como Bob Dylan e Neil Young, a voz de Beto Guedes pode ser imediatamente reconhecida, até mesmo num bocejo...
    E o meu olhar rock-and-roll sobre o Clube da Esquina e o som das Minas Geraes, bem, talvez seja este o único que eu tenho... Mas o pessoal de Minas era chegadão nos Beatles de qualquer forma, veja que o prórpio Beto tinha canções com nomes tipo "no céu com diamantes" e um disco inteiro chamado alma de borracha! Isso não pode ser mera coincidência. [M]

    ResponderExcluir
  4. Rapaz, estive no lançamento desse disco no Teatro Ipanema. Tinha uma menina que ficava o tempo todo dizendo um Beeetoooo bem arrastadamente carioca. Esse dia teve seus relâmpagos... e que relâmpagos, final dos setenta imagina. O cara tava inspirado e sua excessiva timiodez era um chame que fazia todo mundo chegar mais zen, entende ? Sempre pensei que a Lumiar era em homenagem a um lugar perto de friburgo com esse nome, um lugar bem cult por sinal. No mais tudo é cult nesse grande artista. Meu sobrinho recebeu o nome de Gabriel em homenagem e o meu Rafael. Tudo se explica, né? Obrigado Dão pelas lembraças que tive. Abs

    ResponderExcluir
  5. Valeu Luis! Beto Guedes experimentado ao vivo, isso eu não tive, infelizmente. O esclarecimento sobre Lumiar também foi legal. abs, [M]

    ResponderExcluir
  6. Gostaria que fosse publicada, se possível, a ficha técnica do disco, faixa a faixa. Tenho muito vontade de saber quem toca com Beto principalmente nas instrumentais "Bandolim" - incrível! - e "Belo Horizonte", um belo chorinho.

    ResponderExcluir
  7. Caro Clayton, será providenciado. Fique antenado! [M]

    ResponderExcluir
  8. Clayton, inlcuí a ficha técnica no final do post, ok? Bom proveito... [M]

    ResponderExcluir
  9. Vídeo bem legal de uma visita do Beto em Lumiar.

    https://www.youtube.com/watch?v=DKcv8DBoVK0

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não consegui ver, porque o vídeo foi removido do YouTube. Pena sô.

      Excluir
  10. Olá Otávio! Muito legal o vídeo, agradeço(emos) muito a lembrança. Logo no comecinho, em frente a placa dos pontos turísticos ele diz:

    "eu vou dar uma passada pra mostrar pra vocês no Encontro dos Rios..."

    "... mas antes, vou dar uma passada no outro bar da cidade..."

    Sensacional, fiquei ainda mais fã!

    [M]

    ResponderExcluir
  11. E o Beto Guedes pode até fazer um bico de dublador, ele ficaria excelente na voz do Sid, a preguiça de A Era do Gelo...

    [M]

    ps: desculpem, não pude evitar a piada, era maior do que eu...

    ResponderExcluir
  12. Kd a bosta do link pra baixar?

    ResponderExcluir
  13. Achei, baixei e escutei. Ôooo bosta!!!

    ResponderExcluir
  14. Lumiar é um distrito localizado em casimiro de abreu rj local frequentado por hippies, simpatizantes e assemelhados

    ResponderExcluir
  15. Quem tocou bateria nesse disco foi o Hely Rodrigues, futuro 14 Bis. ( nos créditos está escrito Holy ��)

    ResponderExcluir
  16. Ja ouvi este disco, talvez ele seja lembrado pelo hit "Nascente" regravada pelo MPB-4 em 1979,em seus aureos tempos. Beto Guedes é muito lembrado por "Sol de Primavera" do mesmo ano, sempre cantada em suas apresentações!!

    ResponderExcluir
  17. Acabei de adquirir esta pérola em CD!

    ResponderExcluir
  18. Lumiar, um belo distrito de Friburgo. Parece que já é Município e os autores da música – Beto Guedes & Ronaldo Bastos)– foram homenageados. Deu um up grade no turismo no então pacato lugar.

    ResponderExcluir
  19. Quem e o musico Ze Eduardo que toca neste album?

    ResponderExcluir
  20. Oi! O percussionista/baterista chama "Hely", não "Holy" :)

    ResponderExcluir